quarta-feira, 28 de dezembro de 2011


"Eu só te peço uma coisa: Pare de culpar a vida. Pare de ter pena de você. Se assuma. Se aceite. Se culpe. Se estrepe. Se mate. Mas se perdoe. Pelo amor de Deus, se perdoe. 
Somos todos culpados, se quisermos. 
Somos todos felizes, se deixarmos."

terça-feira, 27 de dezembro de 2011


“Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma.
O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.”

(Fernando Pessoa)

sábado, 24 de dezembro de 2011

Feliz Natal!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011


“Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens.” 

(Fernando Pessoa) 

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011


"Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é."

(Fernando Pessoa)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011


"Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: "Fui eu?"
Deus sabe, porque o escreveu."

(Fernando Pessoa)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011


“Não basta abrir a janela
Para ver os campos e o rio.
Não é bastante não ser cego
Para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há idéias apenas.”

(Alberto Caeiro)

domingo, 11 de dezembro de 2011

L'Avventura ♫


“Não se pode olhar pra trás
Sem se aprender alguma coisa pro futuro”

(Legião Urbana)

sábado, 10 de dezembro de 2011

Tabacaria


“Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.”

(Álvaro de Campos)
Grifos meus

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Mar português


“Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.”

(Fernando Pessoa)

domingo, 4 de dezembro de 2011


“Em vez de tentar escapar de certas lembranças, o melhor é mergulhar nelas e voltar à tona com menos desespero e mais sabedoria.”

(Martha Medeiros)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011


“Uma pessoa é capaz de conseguir qualquer coisa se o seu entusiasmo não tiver limites.”

(Charles Schwab)

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Do que carrego comigo


"Prefiro os poucos amigos, ao amontoado de rostos e interesses.
Aprendi a ser seletiva.
Não coleciono gente, coleciono sorrisos."

(Paula Leitte)

quinta-feira, 10 de novembro de 2011


"A maioria das pessoas é tão feliz quanto decide ser."

(Abraham Lincoln)

segunda-feira, 7 de novembro de 2011


“O livro é um pássaro com mais de 100 asas para voar.”

(Ramón Gomes de La Serna)

sexta-feira, 28 de outubro de 2011


“É sempre assim que sucede: quereis que nos liguemos estreitamente a uma coisa? Fazei-nos sofrer por ela.”

(Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida)

domingo, 16 de outubro de 2011


"Começar já é metade de toda ação."

(Provérbio grego)

domingo, 18 de setembro de 2011


“Gramática se faz com palavras mortas. Literatura se faz com palavras vivas.”

(Rubem Alves)

sábado, 17 de setembro de 2011


“Tenho o privilégio de não saber quase tudo.
E isso explica
o resto.”

(Manoel de Barros)

quarta-feira, 14 de setembro de 2011


“Livre, livre é quem não tem rumo.”

(Manoel de Barros)

sábado, 10 de setembro de 2011

Quando uma criança não lê, a imaginação desaparece



Campanha La lecture en cadeau, promovida pela Fundação Para a Alfabetização do Canadá e construída pela agência Bleublancrouge Design.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011


“... explicar afasta as falas da imaginação.”

(Manoel de Barros)

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

"Falando de livros"


O livro é a casa
onde se descansa
do mundo

O livro é a casa
do tempo
é a casa de tudo

Mar e rio
no mesmo fio
água doce e salgada

O livro é onde
a gente se esconde
em gruta encantada

(Roseana Murray)

quarta-feira, 31 de agosto de 2011


“Escrever o que não acontece é tarefa da poesia.”

(Manoel de Barros)

quarta-feira, 24 de agosto de 2011


“Porque nos sonhos entramos num mundo completamente nosso.”

(Fala do personagem Dumbledore no filme Harry Potter e o prisioneiro de Askaban)

domingo, 21 de agosto de 2011


“O gosto pela escrita cresce à medida que se escreve.”

(Erasmo de Rotterdam)

sexta-feira, 19 de agosto de 2011


“Em alguns momentos de nossa vida, um bom livro pode ser nosso melhor amigo. Você viaja enquanto lê, você se procura nas linhas dos textos. Um bom livro pode trazer força nas dificuldades, coragem na dor e inteligência nos momentos em que ninguém o compreende.”

(Augusto Cury)

quarta-feira, 17 de agosto de 2011


"Escrever nem uma coisa
Nem outra -
A fim de dizer todas
Ou, pelo menos, nenhumas.
Assim,
Ao poeta faz bem
Desexplicar -
Tanto quanto escurecer acende os vaga-lumes."

(Manoel de Barros)

terça-feira, 16 de agosto de 2011


“Quando as aves falam com as pedras e as rãs com as águas - é de poesia que estão falando.”

(Manoel de Barros)

domingo, 14 de agosto de 2011

Escrever é esquecer


“Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida – umas porque usam de fórmulas visíveis e, portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de idéias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso.”

(Fernando Pessoa)

terça-feira, 9 de agosto de 2011

"Livro: a troca"


“Pra mim, livro é vida; desde que eu era muito pequena os livros me deram casa e comida.
Foi assim: eu brincava de construtora, livro era tijolo; em pé, fazia parede, deitado, fazia degrau de escada; inclinado, encostava num outro e fazia telhado.
E quando a casinha ficava pronta eu me espremia lá dentro pra brincar de morar em livro. De casa em casa eu fui descobrindo o mundo (de tanto olhar pras paredes). Primeiro, olhando desenhos; depois, decifrando palavras.
Fui crescendo; e derrubei telhados com a cabeça. Mas fui pegando intimidade com as palavras. E quanto mais íntimas a gente ficava, menos eu ia me lembrando de consertar o telhado ou de construir novas casas. Só por causa de uma razão: o livro agora alimentava a minha imaginação. Todo dia a minha imaginação comia, comia e comia; e de barriga assim toda cheia, me levava pra morar no mundo inteiro: iglu, cabana, palácio, arranha-céu, era só escolher e pronto, o livro me dava.
Foi assim que, devagarinho, me habituei com essa troca tão gostosa que no meu jeito de ver as coisas é a troca da própria vida; quanto mais eu buscava no livro, mais ele me dava. Mas, como a gente tem mania de sempre querer mais, eu cismei um dia de alargar a troca: comecei a fabricar tijolo pra em algum lugar uma criança juntar com outros, e levantar a casa onde ela vai morar.”

(Lygia Bojunga)

sábado, 6 de agosto de 2011

O assunto


“E nunca me perguntes o assunto de um poema: um poema sempre fala de outra coisa.”

(Mário Quintana)

sexta-feira, 5 de agosto de 2011


“Escrever é bom porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão.”

(Cesare Pavese)

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Dupla delícia


"O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado."

(Mário Quintana)

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Diálogo


“A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde.”

(André Maurois)

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Uma poesia em forma de perfume


Poemas... poemas escritos, nos livros, nos blogs, no coração. A beleza de cada palavra, o sentido de cada frase, o pensamento lapidado, cristalizado, eternizado.
Gosto de comparar poesias com perfumes... eles eternizam momentos, me transportam em pensamentos e recordações. É uma verdadeira mágica. A transformação de palavras em poemas e de acordes em essências alimenta minha alma, minha vida e minhas emoções.
Eu me inspiro, me emociono, me descubro, me expresso... eu escrevo para que a razão dê espaço à imaginação.
O que seria da vida sem poesia?

(Pensamento encontrado na caixa do perfume Anni, O Boticário)
Foto encontrada aqui

quarta-feira, 13 de julho de 2011

quinta-feira, 7 de julho de 2011


"Ah! Tu, livro despretensioso, que, na sombra de uma prateleira, uma criança livremente descobriu, pelo qual se encantou, e, sem figuras, sem extravagâncias, esqueceu as horas, os companheiros, a merenda... tu, sim, és um livro infantil, e o teu prestígio será, na verdade, imortal."

(Cecília Meireles)

domingo, 3 de julho de 2011


“Eu escrevo sem esperança de que o que escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro.”

(Clarice Lispector)
Foto: Najla Santos

sexta-feira, 24 de junho de 2011

O menino que carregava água na peneira


Tenho um livro sobre águas e meninos.
Gostei mais de um menino
que carregava água na peneira.

A mãe disse que carregar água na peneira
era o mesmo que roubar um vento e sair
correndo com ele para mostrar aos irmãos.

A mãe disse que era o mesmo que
catar espinhos na água
O mesmo que criar peixes no bolso.

O menino era ligado em despropósitos.
Quis montar os alicerces de uma casa sobre orvalhos.
A mãe reparou que o menino
gostava mais do vazio
do que do cheio.
Falava que os vazios são maiores
e até infinitos.

Com o tempo aquele menino
que era cismado e esquisito
porque gostava de carregar água na peneira

Com o tempo descobriu que escrever seria
o mesmo que carregar água na peneira.

No escrever o menino viu
que era capaz de ser
noviça, monge ou mendigo
ao mesmo tempo.

O menino aprendeu a usar as palavras.
Viu que podia fazer peraltagens com as palavras.
E começou a fazer peraltagens.

Foi capaz de interromper o vôo de um pássaro
botando ponto final na frase.
Foi capaz de modificar a tarde botando uma chuva nela.

O menino fazia prodígios.
Até fez uma pedra dar flor!
A mãe reparava o menino com ternura.

A mãe falou:
Meu filho você vai ser poeta.
Você vai carregar água na peneira a vida toda.

Você vai encher os
vazios com as suas
peraltagens
e algumas pessoas
vão te amar por seus
despropósitos.

(Manoel de Barros)

domingo, 19 de junho de 2011


“Livros não são folhas empoeiradas, não são um amontoado de páginas cansadas e tristes. São exatamente mãos, braços e pernas que libertam, que arrebentam as algemas de nossa vil ignorância, tornando-nos tão desafiadores quanto a vida nos apresenta ser, e tão perigosos quanto as ciladas que se armam vez por outra no caminho. Os livros libertam. Seja uma pessoa livre!”

(Desconheço o autor)

terça-feira, 14 de junho de 2011

Cartaz para uma feira do livro


“Os verdadeiros analfabetos são os que aprenderam a ler e não leem.”

(Mário Quintana)

sexta-feira, 3 de junho de 2011


“De dentro de mim não saio nem pra pescar.”

(Manoel de Barros) 
Foto: Najla Santos

terça-feira, 31 de maio de 2011

Insônia


A noite mal dormida me fez pensar na brevidade da vida e no quanto é importante manter por perto aqueles com quem nos importamos.
De imediato, esse pensamento nos faz lembrar daquelas pessoas amadas que não estão ao alcance de um abraço. Porém, tão importante quanto manter perto aqueles que estão longe é manter perto aqueles que estão fisicamente perto. Essa é uma falha constante, pois quando se diz em estreitar laços o pensamento voa ao encontro de quem está a quilômetros distante de nós, e aqueles que estão ao nosso lado diariamente são tão raramente valorizados. Nos acostumamos tanto com sua presença que só nos damos conta de que não lhes dedicamos afeto suficiente quando já é tarde demais.
Por mais longa que seja, a vida nunca é longa o suficiente e sempre deixamos coisas por fazer. Portanto, diga o que deve ser dito, faça o que deve ser feito, mas faça logo.
O depois não existe. A vida é agora.

(Layanne Rezende)
Foto: Gustavo Carrijo

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Kauan


Amor. Não sei dizer o que é, como acontece ou porque vem, o que sei é que nunca havia experimentado sensação de amar tão grande quanto essa.
Só me pergunto como uma pessoinha tão pequena pode despertar um sentimento tão infinito.

(Layanne Rezende)
Foto: Gustavo Carrijo

domingo, 29 de maio de 2011

Só na vontade...


"Às vezes tenho vontade de ter em mim o riso solto, cheio de escândalo e verdade, com gosto de ninguém é mais feliz do que eu;
Ás vezes tenho vontade da lágrima caindo no rosto, expressão da dor sentida, cheia de pesar e tristeza, com gosto de eu preciso de um ombro;
À vezes tenho vontade de ter asas imensas, que dê vôos rasantes e que plaine sobre as colinas, cheias de liberdade, com gosto de não podem me pegar;
Às vezes tenho vontade de dar passos, deixar pegadas e me levar para longe, cheios de tudo posso, com gosto de ir e vir;
Às vezes tenho vontade de ser palavra, que tudo relata, que cala e se faz secreta, cheia de possibilidades, com gosto de eternidade;
Às vezes tenho vontade de ser silêncio, que nada diz, cheio de tantas coisas, com gosto de mistério insondável;
Às vezes tenho vontade de ser verdade...
Às vezes tenho vontade de ser mentira...
Às vezes tenho vontade de ser milagre!"

sábado, 28 de maio de 2011


“Poesia não é para compreender mas para incorporar
Entender é parede: procure ser árvore.”

(Manoel de Barros)

domingo, 20 de março de 2011

Miragem


Olho para trás e sinto como se tivesse perdido algo, como se tivesse vivido em uma nuvem de ilusão.
Em alguns momentos não era eu mesma, era uma máscara atrás da qual eu me escondia. Ainda assim, quando me entreguei de cara limpa e coração aberto, falsos eram os sentimentos aos quais me apeguei, os laços que me prendiam às pessoas não existiam.
Cansei de viver miragens!
De agora em diante não vou deixar que minha vida passe sem mim. Parece clichê, mas é o que acontece quando se enche a vida de “parece ser” quando, na verdade, não há nada.

(Layanne Rezende)

segunda-feira, 14 de março de 2011


"Poesia é pensar em algo fácil e escrever às sombras dos enigmas."

(Cássio Remus de Paula)
Foto: Shae