terça-feira, 31 de maio de 2011

Insônia


A noite mal dormida me fez pensar na brevidade da vida e no quanto é importante manter por perto aqueles com quem nos importamos.
De imediato, esse pensamento nos faz lembrar daquelas pessoas amadas que não estão ao alcance de um abraço. Porém, tão importante quanto manter perto aqueles que estão longe é manter perto aqueles que estão fisicamente perto. Essa é uma falha constante, pois quando se diz em estreitar laços o pensamento voa ao encontro de quem está a quilômetros distante de nós, e aqueles que estão ao nosso lado diariamente são tão raramente valorizados. Nos acostumamos tanto com sua presença que só nos damos conta de que não lhes dedicamos afeto suficiente quando já é tarde demais.
Por mais longa que seja, a vida nunca é longa o suficiente e sempre deixamos coisas por fazer. Portanto, diga o que deve ser dito, faça o que deve ser feito, mas faça logo.
O depois não existe. A vida é agora.

(Layanne Rezende)
Foto: Gustavo Carrijo

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Kauan


Amor. Não sei dizer o que é, como acontece ou porque vem, o que sei é que nunca havia experimentado sensação de amar tão grande quanto essa.
Só me pergunto como uma pessoinha tão pequena pode despertar um sentimento tão infinito.

(Layanne Rezende)
Foto: Gustavo Carrijo

domingo, 29 de maio de 2011

Só na vontade...


"Às vezes tenho vontade de ter em mim o riso solto, cheio de escândalo e verdade, com gosto de ninguém é mais feliz do que eu;
Ás vezes tenho vontade da lágrima caindo no rosto, expressão da dor sentida, cheia de pesar e tristeza, com gosto de eu preciso de um ombro;
À vezes tenho vontade de ter asas imensas, que dê vôos rasantes e que plaine sobre as colinas, cheias de liberdade, com gosto de não podem me pegar;
Às vezes tenho vontade de dar passos, deixar pegadas e me levar para longe, cheios de tudo posso, com gosto de ir e vir;
Às vezes tenho vontade de ser palavra, que tudo relata, que cala e se faz secreta, cheia de possibilidades, com gosto de eternidade;
Às vezes tenho vontade de ser silêncio, que nada diz, cheio de tantas coisas, com gosto de mistério insondável;
Às vezes tenho vontade de ser verdade...
Às vezes tenho vontade de ser mentira...
Às vezes tenho vontade de ser milagre!"

sábado, 28 de maio de 2011


“Poesia não é para compreender mas para incorporar
Entender é parede: procure ser árvore.”

(Manoel de Barros)